sábado, 20 de junho de 2015

Fugindo dos Gansos

Em busca da cura, percorremos muitos caminhos. Foram diversos médicos, várias religiões, medicinas alternativas, enfim, tudo aquilo que vocês possam imaginar, hoje vamos contar uma dessas passagens.
Fomos até a cidade de Santa Rita do Passa Quatro, onde nos indicaram um local de cura. Nos estabelecemos em uma pequena pousada afastada da cidade. O local era aconchegante, haviam pequenos chalés, era tudo bem rústico, ambiente bem interiorano. Ficamos um pouco chateados porque os chalés eram um pouco distantes uns dos outros, e a noite, era um verdadeiro breu. A única iluminação eram as estrelas do céu mas, naquela noite especificamente, elas não estavam brilhando. 
Resolvemos sair do nosso chalé e ir até o da Cristiane. Todos estavam morrendo de medo mas, tentavam não demonstrar. Ao batermos na porta Cristiane gritou, levou o maior susto. Ficamos um tempo juntos mas, com o passar das horas surgiu um outro problema, como voltar ao nosso chalé naquele breu em plena madrugada? Fomos correndo enquanto Joaquim tirava sarro da nossa cara. 
Ao amanhecer, abro a porta e dou de cara com um enorme sapo e várias galinhas de angola. Me assustei com o sapo pois, ele estava bem na entrada e nem Cristo, tirava ele dali. Tivemos que pular por cima dele para irmos tomar nosso café. 
Nisto vejo Joaquim, Cristiane e Igor, não havia mais nenhum hóspede na pousada, só nós, e os bichos é claro. Os três iam a frente e nós vinhamos logo atrás, quando Joaquim, ao se deparar com um Ganso, advertiu: "Cuidado, esses animais são perigosos".
Cristiane apertou o passo e eu comecei a gargalhar. Escuto a voz do Pinho: "Ganso ataca, melhor andarmos depressa". Mas, eles estavam de costas, em tese, não havia perigo. Porém, do nada um deles se virou, fez um som estranho, se enfureceu e foi aceleradamente em direção a Joaquim. Desesperado, ele gritava: "Xô, Xô". Cristiane gritava: "Vocês só me arrumam confusão, se esse bicho atacar meu filho, mato vocês". 

Bando de Gansos que nos atacou

Os Gansos traçaram uma verdadeira estratégia de guerra e se dividiram. alguns atrás de Joaquim, Cris e Igor, e os outros, atrás de nós. Precisávamos chegar a entrada do restaurante mas, não sabíamos onde era. Os Gansos iam se aproximando passo a passo e nosso desespero só aumentava. Um dos funcionários da pousada falou: "Acalmem-se eles são mansos, só não conhecem vocês". Nisso, finalmente achamos o portão de entrada do restaurante, todos adentraram, menos eu e Taymara que caminhávamos lentamente. Os Gansos chegaram até nós, me abaixei, peguei uma pedra e o homem da pousada gritou: "Não senhora, não faça isso". Me postei na frente da Taymara para protegê-lá, enquanto eu gritava com os Gansos, Joaquim e Felipe voltaram correndo para buscar a Taymara, que mal andava. Virei uma leoa, a minha filha eles não iriam atacar. Acho que foi o homem assoviando e chamando. Mas, me lembro bem que eu estava com os braços levantados gritando: "Daqui vocês não passam". Não sei bem se foi minha cara de má ou o chamado do funcionário da pousada mas, os Gansos recuaram e finalmente, pude respirar aliviada. Depois disso, passamos o belo dia de sol curtindo a piscina, voltamos aos chalés, fomos tomar banho e de repente ouvimos os gritos de Cristiane: "Socorro, socorro, um sapo, socorro." Neste momento surgiu o super herói da família, Felipe, carregando sua arma mortífera, um garfo de cozinha. A luta para espantar o sapo foi épica, digna de filmes de hollywood, Felipe parecia estar lutando esgrima, com o sapo, que na verdade era um pequeno girino. No fim, Felipe espantou o bicho. 
Depois desta incessante batalha entre homem e animal, fomos todos ao local de cura indicado, fomos muito bem recebidos, não obtivemos êxito mas, pelo menos, saímos com paz no coração. 
Ao chegarmos a Santos, recebo uma ligação, era Cristiane do outro lado da linha. Aflita ela dizia: "Nunca mais vou voltar lá. Tem um sapo nojento na minha mala. Será que o Felipe não pode vir me salvar?" Não foi preciso, os berros de Cristiane foram tantos que o sapo saiu saltitando pela janela. Mais uma história maluca dentre tantas pelas quais passamos.  

Taymara bela e sorridente, descansando na rede




2 comentários:

  1. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK muito legal adorei !!!

    ResponderExcluir
  2. Uma aventura não é, Neli Fajardo? Demos muitas risadas

    ResponderExcluir