sexta-feira, 31 de agosto de 2018

E se fosse você...

E se fosse você...? Que acordasse de manhã sabendo que passaria o dia sem sair da cama?
E se fosse você...? Que passasse 24 horas do seu dia convivendo com dores?
E se fosse você...? Que vivesse sua vida sem perspectiva?
E se fosse você...? Que quisesse sair com seus amigos e nunca pudesse?
E se fosse você...? Que por conta de sua condição perdesse a convivência com seus amigos? 
E se fosse você...? Que acordasse sem saber se poderia ou não ir trabalhar devido a uma doença?
E se fosse você...? Que por muitas vezes se sentisse inútil por não conseguir trabalhar e estudar? 
E se fosse você...? Que não pudesse ter uma vida normal e sofresse muito com isso diariamente? Será que você seria feliz? Como você faria para manter sua vida social, seu emprego, seus amigos, suas vidas, diante do impossível? O sorriso fácil fica mais fácil quando se pode levar uma vida normal. Você que reclama da sua rotina, não tem ideia de como seria bom poder vive-la, pois se não bastasse viver com todas as tristezas trazidas por uma doença, ainda temos que conviver com as mesmas dificuldades que você. Ser brasileiro não é fácil, ainda mais com uma doença. Se o governo já não apoia aquele que produz, imagine quem não faz nada pela economia? Para eles somos como um fardo e só existimos para diminuirmos suas margens de lucros, isso quando eles ajudam, o que quase nunca acontece. Gostaria que um desses governantes estivesse na pele de uma pessoa doente por um dia. O mundo precisa de mais amor. Separe um dia do seu dia e faça esse exercício que estamos propondo. Tente se colocar, não só em nosso lugar, mais nos daqueles todos que convivem com algum tipo de doença e com as limitações que elas trazem, talvez isso até te humanize mais, afinal é exatamente isso o que todos nós, doentes ou não precisamos: Um mundo mais solidário!

Um comentário:

  1. Olá Taymara. Me chamo Rúbia, tenho 25 anos e moro no Distrito Federal. Há meses que eu entro no seu blog e tento comentar alguma coisa. Qualquer coisa. Falta-me palavras.
    Hoje, as palavras vieram quando li a sua pergunta. E se fosse você?
    Eu queria apenas responder, SOU EU!
    Eu também passo por tudo isso que você descreveu no seu texto.
    Boa parte do dia na cama, dores 24h, vida sem perspectiva, não tenho convivência com meus amigos, não trabalho, me sinto inútil, sem vida normal e sem sorriso fácil. Também sofri e sofro com o descaso da saúde pública e o grande comércio que é a saúde privada. SOU EU, INFELIZMENTE SOMOS NÓS.
    Há 1 ano e sete meses tive uma doença que paralisou ou prejudicou algumas partes automáticas do meu corpo. Meu coração, todo o meu trato gastrointestinal e todas as minhas secreções. Os médicos disseram ser parecido com síndrome de Guillain-Barre, só que aos invés de atingir a parte motora, atingiu a parte autônoma do corpo.
    Como você, meu coração é descontrolado, mas não uso marca passo; perdi as funções do esôfago, do estômago e dos intestinos, como você eu também faço a minha nutrição por sonda enteral, depois de um ano de parenteral; também não tenho lágrimas, suor, saliva ou qualquer outra secreção, devido a isso, eu sinto calor constantemente. Não uso traqueostomia, pois não afetou a minha respiração, mas uso uma bolsa de ileostomia.
    O principal é que a fome nos deixou. O que é o mais difícil.
    Hoje, o seu relato me despertou as palavras. Sou como você Taymara. Se quiser conversar, estou aqui.

    ResponderExcluir